O Brasil se juntou a países governados por ditaduras ao bloquear o Telegram

Putin-2-horz-696x274

Brasil se uniu à China, Cuba, Rússia e Irã ao determinar o bloqueio do aplicativo de mensagens Telegram no país; conforme decisão monocrática do ministro do STF Alexandre de Moraes

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou, em decisão monocrática – ou seja, sozinho, bloquear as operações do aplicativo de mensagens Telegram no Brasil.

A ordem foi transmitida à Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e não depende do Telegram, cuja sede é em Dubai, nos Emirados Árabes. Segundo dados do site especializado Statista e do próprio Telegram, até 18 milhões de brasileiros foram atingidos pela decisão de Alexandre de Moraes.

A decisão de Moraes se deu em um dos inquéritos sobre a suposta disseminação de “fake news”, após tentativas da Suprema Corte brasileira de exigir que o Telegram barrasse “grupos associados a Allan dos Santos”, o jornalista dono do site Terça-Livre, segundo a decisão do ministro.

Além do Brasil, apenas Azerbaijão, Bahrein, Belarus, China, Cuba, Hong Kong, Índia, Indonésia, Irã, Paquistão e Rússia já bloquearam o Telegram para seus habitantes. Embora a Rússia de Wladimir Putin ter recuado da decisão autoritária em relação ao aplicativo.