Lula assume, exalta democracia e recebe faixa das mãos do povo diante de multidão

posse

Por g1 — Brasília

Luiz Inácio Lula da Silva tomou posse neste domingo (1º) como o 39º presidente da história do país. A celebração do início do mandato levou centenas de milhares de apoiadores à Esplanada dos Ministérios, em Brasília. Em um dos momentos mais marcantes, Lula recebeu a faixa presidencial de pessoas comuns, representantes do povo brasileiro.

Em discursos, o presidente ressaltou a defesa da democracia e o foco no combate à pobreza e à fome. Ao falar de fome, no parlatório do Palácio do Planalto, de frente para a multidão, Lula chegou a chorar.

Ele também fez críticas ao governo anterior, sem citar o nome do ex-presidente Jair Bolsonaro.

Apoiadores de Lula se reúnem na Esplanada dos Ministérios para a posse presidencial — Foto: Silvia Izquierdo/AP

Apoiadores de Lula se reúnem na Esplanada dos Ministérios para a posse presidencial — Foto: Silvia Izquierdo/AP

Veja o que de principal aconteceu na posse:

Desfile no Rolls Royce

 

A equipe de Lula não havia confirmado até o início da tarde se o presidente faria o trajeto até o Congresso Nacional em carro aberto.

A dúvida acabou quando, no início da tarde, ele subiu no tradicional Rolls Royce da Presidência. Lula estava acompanhado da primeira-dama, Janja da Silva, do vice-presidente, Geraldo Alckmin, e da mulher do vice, Lu Alckmin.

Lula desfila em carro aberto antes da cerimônia de posse, em Brasília, neste domingo (1º) — Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Lula desfila em carro aberto antes da cerimônia de posse, em Brasília, neste domingo (1º) — Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Tropas em revista

 

Em seguida, na chegada ao Congresso, Lula passou em revista as tropas militares, uma das etapas tradicionais da celebração da posse.

Presidente passa tropas em revista

Discurso no Congresso

 

Em discurso de posse, Lula diz que mensagem ao Brasil é de 'esperança e reconstrução'; veja íntegra

Em discurso de posse, Lula diz que mensagem ao Brasil é de ‘esperança e reconstrução’; veja íntegra

Lula foi oficialmente empossado no Congresso, em cerimônia diante de parlamentares e do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), e do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL).

Em uma fala de 31 minutos, o presidente exaltou a “democracia para sempre”.

“Sob os ventos da redemocratização, dizíamos ‘ditadura nunca mais’. Hoje, depois do terrível desafio que superamos, devemos dizer ‘democracia para sempre'”, afirmou.

 

Lula disse ainda que seu governo vai ser de esperança, união do país e sem revanchismo.

“Hoje, nossa mensagem ao Brasil é de esperança e reconstrução. O grande edifício de direitos, de soberania e de desenvolvimento que essa nação levantou a partir de 1988, vinha sendo sistematicamente demolido nos anos recentes. É para reerguer esse edifício de direitos e valores nacionais que vamos dirigir todos os nossos esforços”, disse Lula.

Sem citar o nome de Bolsonaro, afirmou que irregularidades na pandemia devem ser investigadas.

“Em nenhum outro país, a quantidade de vítimas fatais foi tão alta proporcionalmente à população quanto no Brasil, um dos países mais preparados para enfrentar as emergências sanitárias”, argumentou.

“Este paradoxo só se explica pela atitude criminosa de um governo negacionista, obscurantista e insensível à vida. As responsabilidades por este genocídio hão de ser apuradas e não devem ficar impunes”, acrescentou Lula.

Faixa presidencial

 

Ao sair do Congresso, Lula foi para o Palácio do Planalto e subiu a rampa.

Em uma das cenas mais históricas da posse, ele subiu acompanhado de Janja, cidadão comuns (saiba quem são) e a cachorrinha do casal, chamada de Resistência, em referência ao período em que Lula passou preso.

Lula recebe faixa presidencial das mãos de representantes do povo brasileiro — Foto: Fábio Tito/g1

Lula recebe faixa presidencial das mãos de representantes do povo brasileiro — Foto: Fábio Tito/g1

No alto da rampa, a faixa passou pelas mãos dos representantes do povo e foi finalmente entregue a Lula por Aline Sousa, uma mulher de 33 anos, catadora desde os 14.

Choro ao falar sobre fome

 

Já com a faixa no peito, Lula se dirigiu ao parlatório do palácio, para falar à multidão que o aguardava na Praça dos Três Poderes.

Foi nesse discurso que, ao falar da fome no país, Lula chorou.

“Há muito tempo, não víamos tamanho abandono e desalento nas ruas. Mães garimpando lixo em busca de alimento para seus filhos. Famílias inteiras dormindo ao relento, enfrentando o frio, a chuva e o medo. Crianças vendendo bala ou pedindo esmola, quando deveriam estar na escola vivendo plenamente a infância a que têm direito”, disse.

 

“Trabalhadores e trabalhadoras desempregados, exibindo nos semáforos cartazes de papelão com a frase que nos envergonha a todos: ‘por favor, me ajuda'”, continuou, perdendo a voz em razão do choro.

Lula se emociona durante o discurso ao falar sobre a fome no país — Foto: REUTERS/Adriano Machado

Lula se emociona durante o discurso ao falar sobre a fome no país — Foto: REUTERS/Adriano Machado

Líderes estrangeiros e posse de ministros

 

A próxima etapa no dia de Lula foi, dentro do Palácio do Planalto, receber cumprimentos de líderes estrangeiros. Entre eles, estavam 17 chefes de Estado.

Chefes de estado e autoridades estrangeiras parabenizam Lula na posse presidencial

Chefes de estado e autoridades estrangeiras parabenizam Lula na posse presidencial

Na sequência, Lula deu posse a seus 37 ministros (veja a lista).

O presidente empossado Luiz Inácio Lula da Silva (PT) posa para fotos com os seus ministros, durante recepção no Palácio do Planalto, em Brasília, — Foto: DANIEL TEIXEIRA/ESTADÃO CONTEÚDO

O presidente empossado Luiz Inácio Lula da Silva (PT) posa para fotos com os seus ministros, durante recepção no Palácio do Planalto, em Brasília, — Foto: DANIEL TEIXEIRA/ESTADÃO CONTEÚDO

Primeiros atos

 

Lula também assinou decreto que altera a política de Bolsonaro de flexibilização de acesso às armas.

Outro ato do presidente prevê reavaliar sigilos impostos pelo ex-presidente Jair Bolsonaro em documentos

TELEFONES

(87) 3873 1857

(87) 9 9642-7899

kleidinhamaozita2@gmail.com

BR 316, KM 21,7 – S/N, Vila Conceição — Araripina – PE