Dia Nacional de Combate ao Fumo: tabagismo responde por mais de 60% das mortes evitáveis Os fumantes têm 15 vezes mais chances de diagnóstico de câncer de pulmão

tabagismo-canva

Mais de 60% dos óbitos relacionados às Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) estão diretamente relacionados ao consumo do tabaco, segundo dados da OMS (Organização Mundial da Saúde). Lembrado hoje, o Dia Nacional de Combate ao Fumo é um alerta para os perigos que as substâncias do cigarro provocam no organismo, liderando as causas de morte no mundo.

“Os fumantes têm 15 vezes mais chances de desenvolver câncer de pulmão do que os pacientes que jamais fumaram”, alerta o médico Ramon Andrade de Mello, professor da disciplina de oncologia clínica do doutorado em medicina da Universidade Nove de Julho (Uninove), do corpo clínico do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo.

O consumo do tabaco ao longo dos anos também pode provocar outros tipos de câncer como boca, laringe, faringe, esôfago, pâncreas, rim, bexiga, colo do útero, estômago e fígado.

“Os tumores oncológicos do pulmão estão na lista dos que mais causam morte no mundo”, destaca o pesquisador.

O tabagismo reponde por 85% dos casos de câncer do pulmão pelo consumo de tabaco.

O hábito de fumar responde ainda por 25% dos casos de câncer do esôfago. As substâncias do cigarro provocam ainda entre 50% 70% dos registros de câncer de bexiga.

“Elas agridem as paredes que revestem o interior desse órgão, ampliando a possibilidade da doença”, explica Ramon Andrade de Mello. 

A maioria dos casos desse tumor oncológico é diagnosticada em homens brancos, acima de 55 anos.

“Parar de fumar é a melhor medida preventiva contra o câncer, independentemente da idade da pessoa”, aconselha o médico.

“Atividades físicas regulares para manter o peso corporal adequado e alimentação saudável completam atitudes que ajudam a prevenir a doença”, diz.

Seja a sua melhor versão!

Rafael Coelho

Pílulas

Tratamentos alternativos para o câncer devem ser indicados por oncologistas

Chás, pílulas milagrosas, sucos, remédios naturais. Muitas pessoas, quando recebem o diagnóstico de câncer, fogem dos tratamentos convencionais e vão para as formas alternativas. O risco é que o tumor necessita de tratamento precoce e adequado para ter mais chances de sucesso e aumentar as chances de cura do paciente. Uma pesquisa feita pelo Hospital Alemão Oswaldo Cruz, em São Paulo, revelou que, num grupo de 319 pacientes oncológicos, 34% fizeram práticas alternativas, e 66% nunca sequer falaram sobre o tema com o médico. Essa “segurança” em tratamentos alternativos tem explicação em fatores variados, como a fragilidade do momento, relatos de casos – que não têm comprovação científica-, e desinformação, por exemplo.

“Existem práticas alternativas que são regulamentadas, mas elas não vão substituir os tratamentos indicados pelos médicos oncologistas. Elas podem complementar e promover o relaxamento físico e mental, ajudando o paciente a suportar o ambiente hospitalar, como a acupuntura, homeopatia, fitoterapia, biodança, arteterapia, meditação, quiropraxia, ioga, reflexoterapia, entre outros”,  explica Silvia Fontan, oncologista da Multihemo Oncoclínicas.

“O ideal é que o paciente diagnosticado com câncer converse com seu oncologista. Ele vai orientar sobre os melhores tratamentos e assim, evitamos atraso no início da busca pela cura do tumor, baseado em conhecimento científico e medicinal”, salienta.