Falta de consenso pode jogar Senado no colo de Paulo Câmara

paulo-viagem

A tese ganha eco entre aliados. Nos bastidores, o nome do governador Paulo Câmara começou a ser apontado como uma possível solução para um tipo de cenário: aquele marcado por ausência de consenso entre as alternativas, hoje, ventiladas na Frente Popular para concorrerem ao Senado. Leia-se: a escolha de Silvio Costa Filho, do Republicanos, pode desagradar André de Paula, dirigente do PSD em Pernambuco e vice-versa, além de que o páreo conta ainda com Eduardo da Fonte, presidente do PP-PE. Resultado: para evitar ruídos, o nome do chefe do Executivo estadual poderia ser alçado à condição de postulante à Casa Alta. Essa já é uma das possibilidades em questão, mas não vinha sendo tratada com tanta ênfase, porque, em paralelo, circula a hipótese de Paulo ficar à frente do Governo de Pernambuco até o fim, projeção que se ancora mais fortemente na necessidade do PSB de manter o comando da sucessão.

Há preocupação latente pelo fato de a vice-governadora, Luciana Santos, embora aliada de primeira hora e com um perfil de extrema lealdade aos socialistas, ser do PCdoB. No meio dessa equação, no entanto, o Congresso Nacional aprovou a federação partidária. Nas coxias, socialistas advertem que, valendo esse mecanismo em 2022, ainda que Paulo precise deixar o cargo seis meses antes da eleição, o partido seguiria tendo o comando da sucessão, mesmo com Luciana na cadeira. A legenda de maior tamanho, dizem, nesse caso o PSB, ditaria as regras do jogo. Ou seja: vigorando a federação, funcionaria como se Luciana fosse do PSB e isso daria tranquilidade ao partido para que Paulo possa se desincompatibilizar. O presidente Jair Bolsonaro pode vetar a federação, o Congresso pode, ou não, derrubar o veto. Até lá, Paulo não pode dizer nada diferente: tem afirmado que ficará no governo. Aliados, no entanto, apostam na chance de a disputa pelo Senado “cair no colo dele”.

Gatilho para debandada

Nas Oposições, um cenário com Paulo Câmara candidato ao Senado é visto como gatilho para uma debandada de partidos aliados da Frente Popular. E isso anima oposicionistas, que fazem a conta, considerando a possibilidade de o PSB trabalhar para ter a cabeça de chapa e a vaga do Senado, o que poderia também gerar insatisfação em partidos da aliança interessados na majoritária.

Atentos > Aos nomes da Oposição, cotados para corrida pelo Palácio das Princesas, como Miguel Coelho, Raquel Lyra e Anderson Ferreira, essa hipótese de o PSB ocupar duas vagas na chapa não estaria passando batida. Há até quem aposte nisso.

Na conta > Na base governista, aliados do governador Paulo Câmara também estão atentos à intenção dos opositores de “ir buscar os dissidentes”, caso o PSB decida acumular vagas na chapa.

Não tem pressa > Em entrevista, na última sexta, ao jornal O Globo, Paulo Câmara declarou trabalhar “com a responsabilidade de governar o Estado até o fim do mandato, em 31 de dezembro”. Aliados traduzem assim: “Não é tempo de dizer outra coisa”.

Torres Gêmeas > Não foi sem imprevisto que se deu o almoço na casa de Bruno Araújo, no último sáb

ado, oferecido ao governador João Doria. Não teve esforço certo da equipe precursora. Na hora H, o presidenciável ficou preso no elevador de um dos edifícios conhecido como “torres gêmeas”. Ele não estava só no resumido espaço, mas acompanhado do anfitrião, da prefeita Raquel Lyra e do ex-governador João Lyra Neto, durante os mais de 20 minutos em que os tucanos esperaram pelo desfecho, ou resgate.

FONTE – FOLHA DE PE